Institucional
TwitterFacebook
Categoria

jan 9, 2018

Agradecimento emociona funcionários da Santa Casa

O final de 2017 foi um ano delicado na família das nossas leitoras Edneia e Edmeia. Sua vida precisou de um novo rumo, após sua mãe, uma senhora de 72 anos, que dedicou boa parte de sua vida ao serviço de resgate na Grande São Paulo, sendo até mesmo homenageada pelos belos trabalhos prestados. Dois duros golpes, para uma pessoa já idosa: uma fratura de fêmur e, logo em seguida, um acidente vascular cerebral (AVC).  A senhora ativa e sempre disposta para fazer o bem ao próximo se viu na situação dos inúmeros que ajudara até outrora.

Ao precisar levar a mãe para a Santa Casa de nossa cidade, solicitou o serviço de emergência e, já de início, ficou impressionada com todos os cuidados que foram oferecidos pelos profissionais à sua mãe. “Começou pela forma que eles a retiraram daqui de casa, o jeito que foi acomodada na ambulância e durante todo o trajeto, onde o condutor passou por todos os obstáculos com maior destreza e delicadeza, garantindo assim o menor impacto possível aos ferimentos de minha mãe. Ao chegar à Santa Casa, a equipe de enfermagem a tratou com muito carinho e dedicação, mesmo ela não podendo se comunicar direito em decorrência do AVC. Não faltou assunto para que os exames necessários fossem feitos. Dr. Simão e Dra. Maria do Carmo foram primordiais na recuperação da minha mãe, e jamais poderia deixar de lembrar das coordenadoras Renata e Keila. Cada um em sua função, dedicando-se e fazendo seu trabalho seguindo todos os procedimentos da forma perfeita. No quesito profissionalismo, principalmente dos condutores, Salto de Pirapora está com excelentes profissionais”, conta Edneia.

Em forma de agradecimento as irmãs fizeram uma faixa, que está colocada no guarda-corpo da rampa de acesso, defronte a porta principal do hospital. Tal fato emocionou os profissionais da casa e chamou a atenção não somente dos pacientes que procuram atendimento, mas também das inúmeras pessoas que circulam pela avenida Carlos Chagas, seja a pé, ou em veículos. Segundo elas, todos os setores trabalham com excelência e, mesmo em um prédio precário e carente de mão de obra voluntária, o atendimento foi o melhor possível, pois em nenhum momento foi dito aos profissionais quem eles transportavam ou de quem se tratava. No meu entendimento, o bom atendimento é para todos, e o mesmo segue normas e os profissionais devem ser respeitados. Apenas no dia da colocação da faixa é que sua mãe foi reconhecida por ex-alunos e companheiros de trabalho.

Atitudes como esta nos fazem pensar o quanto devemos ser gratos. Antes de levantar a voz e fazer uma reclamação devemos procurar saber o que está se passando, para não sermos injustos. Que no ano de 2018 possamos ter o trabalho destes profissionais e de outros reconhecido por mais vezes. Se a gratificação não vem em cifras, como a grande maioria espera, que venha então através do que o dinheiro não é capaz de comprar e fica pra sempre no coração de quem recebe: a gratidão!

1 Comentário

  1. Realmente eli atende muito bem em tds as arias minha mae tinha 93 anos. Senpre q precizri foi muito bem aconhida. N foi atoa q deixei sa pra viver aqui amor salto de pirapora muito obrigado por te mim acplhido

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *